Quarenta semanas…

Depois do alarme de ontem e não ter dormido a noite toda, resolvemos não dormir depois que voltamos do hospital para poder regularizar o sono. Pensei que ia bater na cama e dormir a noite…ledo engano. Passei a noite em claro com essa espoleta mexendo! E algumas mexidas eram bem doloridas.

Pela manhã levantei e fomos visitar a Dra. Marilena no consultório, eu estava um pouco estressada com a noite sem dormir. Mas a consulta foi ótima, Dra. Marilena me deixou mais tranquila sobre tudo que estava acontecendo. Disse que o processo pode ser mais lento para algumas mulheres e só é prejudicial se passar da 42° semana. Como estou na 40° semana então temos tempo para esperar um pouco meu corpo parar de treinar e partir para o trabalho propriamente dito! Na verdade a hora de parir é na 40° semana mesmo, então não estou nem um pouco atrasada.

Saímos da consulta satisfeitos com o que ouvimos e resolvemos ir ao shopping comprar algumas coisas. A vovó Nilza estava animada e as compras foram divertidas. Aproveitei para andar um pouco e ver gente, pois como já disse estamos muito tempo confinados em casa! Depois das compras fomos almoçar em casa (comida saudável da mamãe) e deitamos para descansar.

Apesar de estar sentindo as mesmas coisas que eu estava sentindo antes eu passei o dia totalmente tranquila, mesmo porque a médica disse que eu não confundiria a dor de parto de jeito nenhum! hehehehe

À noite eu e o papai ficamos um pouco sem sono, pois dormimos a tarde toda. Ficamos conversando e vendo algumas coisas na internet, quando deu vontade de ir fazer xixi. No banheiro tomei um susto, pois saiu o tampão mucoso, secreção com aspecto gelatinoso, transparente com rajadas de sangue. Esse tampão protege a entrada do útero durante a gravidez e no final é eliminado antes ou durante o trabalho de parto. Eu tomei um susto inicialmente, mas fiquei animada em seguida, achando que logo começaria o trabalho de parto propriamente dito. Resolvi ir dormir, descansar e esperar as contrações.

Durante a noite acordei três vezes com cólicas, mais fortes do que as que estava sentindo antes. Mas voltava a dormir quando a cólica diminuía. Hoje pela manhã acordei sem sinais e sem dores. E isso foi motivo de preocupação para a vovó Nilza outra vez, pois ela achava que o trabalho de parto teria que começar assim que se perde o tal tampão. Então liguei para a médica para saber se era normal ou não. Ela explicou que era absolutamente normal. A mulher pode perder o tampão dias antes do trabalho de parto e pode continuar perdendo fragmentos durante alguns dias. Isso é sinal de que o trabalho de parto se aproxima.

A vovó continua um pouco insegura com isso, pois acha que está demorando muito. Mas todos os médicos que me examinaram durante esse tempo me diz o mesmo: O bebê está bem, você está saudável e está na primeira gestação, então é normal que o processo seja mais lento do que o convencional.

Amanhã vamos fazer uma ultrassonografia para deixar a vovó mais tranquila. Assim ela relaxa mais e espera sem medo o dia do seu nascimento. Eu sei que essas coisas causam desconfiança nas pessoas que estão acostumadas a ver as mulheres irem para o hospital no primeiro sinal e voltarem com seu bebê no colo e um corte na barriga. Infelizmente para os obstetras comuns é muito mais fácil marcar logo a cesária do que ficar recebendo ligações das pacientes perguntando o que é aquela meleca que saiu na hora que ela foi fazer xixi. É muito mais fácil fazer um parto em 2h do que esperar o trabalho de parto evoluir naturalmente o que pode durar até 8h.

Então esses obstetras justificam logo que a mulher está sem passagem ou dilatação, que o bebê está sem líquido ou está grande demais para um parto normal. Nessas horas estamos sensíveis demais para raciocinar, o medo de algo acontecer com o bebê é enorme e acabamos cedendo e aceitando a sugestão.

Não quer dizer que não exista casos como os descritos acima. Realmente há mulheres com todas essas dificuldades. Mas diversas pesquisas apontam que esses casos são minoria, que a maior parte das cesárias são desnecessárias. Uma mulher que não teve nenhuma intercorrência na gestação (pressão alta, diabetes, placenta posicionada de forma anômala, obesidade, entre outras) normalmente tem total condição de parir de forma natural.

O trabalho de parto não começou porque a placenta ainda tem condições de manter o bebê nutrido e oxigenado. Se não há sofrimento fetal porque pressa? Porque interferir na ordem natural das coisas? Assim que a placenta cansar o organismo vai trabalhar e o bebê nasce. Se a idade gestacional avança além das 41 semanas ai sim é hora de tomar alguma medida, que pode ser a indução do parto normal através de ocitocina sintética. A cesária só é necessária caso todas as opções tenham se esgotado ou houver algum problema real como citei acima.

Neste momento tenho que ter muita segurança, estar muito bem informada e ter um profissional que me assista com paciência. Além do apoio incondicional da minha família. Eu tenho isso tudo, mas tenho que lidar com a insegurança natural da vovó Nilza. Ela não está errada, temos que nos cercar de toda a segurança, só precisamos nos acalmar e ouvir a voz que vem de dentro. Entender que nada está sendo feito sem o devido acompanhamento e confiar nisso.

Tenho certeza que minha princesinha vai chegar na hora que nossas mentes se aquietar que todos estiverem calmos e passivos o suficiente para receber essa nova vida.

Sua chegada filha vai ser da forma mais tranquila e segura para nós duas. Estamos atentos a todos os sinais e seremos sensatos se nós juntamente com a Dra. Marilena constatarmos que o melhor para nós duas não é o que planejamos.

Meu corpo já trabalha para te trazer ao mundo e eu confio nisso. Terei paciência suficiente para esperar.

 

Um cheiro gostoso minha sementinha…

Esta entrada foi publicada em Histórias para a sementinha. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *