12 meses – Nosso primeiro ano de vida!

Este mês pensei no parto muitas vezes por longos momentos. Revivi cada minuto, passei o mês te parindo de novo e percebi que renasci naquele dia também. Olho você e vendo essa menininha linda e sapeca que você é hoje me impressiono com a nova pessoa que sou hoje e também com a quantidade de acontecimentos que cabem num ano.

Esse ano foi intenso, sua chegada revolucionou minha vida de uma forma que eu jamais pude imaginar. E não foram apenas as mudanças normais da adaptação à vida de mãe. Muitas coisas vieram somadas a isso, foram mudanças físicas, geográficas e de conceitos preconcebidos. Tudo começou quando grávida pesquisei sobre parto e me deparei com um mundo de coisas sobre parto humanizado, parto domiciliar e sobre como os partos não deveriam ser. Isso me fez buscar a melhor alternativa para seu nascimento que possibilitasse uma chegada respeitosa e com muito amor. Conseguimos chegar ao CPN, e lá você nasceu. Cercada de muita luz, pois senti que todo o trabalho de parto foi conduzido não só por profissionais maravilhosos, mas também por guias espirituais iluminados. No ambiente em que você nasceu sua avó Ana estava lendo a Sutra Sagrada e nós estávamos na Mansão do Caminho – centro espírita criado por Divaldo Franco.

Quando voltamos para casa começamos a derrubar os velhos paradigmas. O senso comum, dizia-me que não era para atender prontamente seu choro, que não era para te viciar no colo, que não era para você dormir na cama com papai e mamãe. Não durou nada todo esse vasto conhecimento. Eu me desesperava toda vez que você chorava e nunca deixei de atender prontamente, era mais forte que eu. Então fui atrás dos porquês desse sentimento e descobri que o que eu estava sentindo era meu instinto, meus hormônios gritando para proteger meu bebê. Então descobri que eu tinha acreditado no conto da carochinha e que bebê nenhum fica viciado em colo, que colo é o lugar do bebê, e que choro de bebê é comunicação e nunca devemos deixar quem amamos falando sozinho. E a melhor de todas as descobertas foi que dormindo comigo tanto eu quanto você dormia melhor e muito mais felizes. E assim seguimos grudadinhas. O primeiro mês foi o mais difícil, estávamos nos adaptando, tinham noites em que você não dormia, eu e papai nos revezávamos na tarefa de tentar fazer você dormir. O segundo mês melhorou, peguei a “manha” e comecei entender melhor seus sinais. Muito banho de ofurô, sling e amor.

Com quatro meses tinha que decidir se ficaria em casa ou se voltaria a trabalhar, foi difícil, pois precisava do dinheiro. Mas trabalhar, no final das contas iria sair muito caro. Nossa saúde era mais importante. Eu digo nossa porque tenho certeza que eu teria ficado doente com uma rotina de te ver só um pouco a noite. Não pelo ritmo, mas pela saudade e por te ver sofrer. Não dava para arriscar sua saúde e felicidade. Optei por sair do trabalho. E foi a melhor coisa que eu fiz.

Então resolvemos mudar para o interior, viver uma vida mais leve e mais calma. Escolhemos Lençóis – BA. Uma cidade linda, turística e cheia de oportunidades. Resolvemos começar nossa vida aqui e viemos. Você chegou com quatro meses e meio. Nós passamos pelo período de adaptação, de conhecer e de pensar se era aqui mesmo o lugar. Tive momentos de altos e baixos, de achar que não era meu lugar. Mas hoje acredito que foi uma ótima escolha. As oportunidades foram aparecendo e continuam chegando. Agora você tem um enorme quintal para brincar e uma árvore para colocar um balanço quando você estiver maior. Acho que aqui você terá uma infância feliz.

Aprendi muita coisa esse ano. Hoje me alimento melhor e não acredito mais em uma grande empresa de alimentos que vende fórmula para substituir leite materno e papinha industrializada dizendo para a mãe aproveitar o tempo com o filho. Escolhi não apresentar o açúcar, os industrializados e o leite de vaca para você tão cedo na sua vida. Aprendo todos os dias a ler seus sinais, entender cada choro, estar com você e não no mundo a parte chamado preocupação. Muitas vezes você precisa me resgatar desse mundo e sempre que faz isso é com um enorme sorriso me convidando, irresistivelmente, a viver cada momento intensamente ao seu lado.

Hoje eu dou muito mais risadas  e meu jeito carrancudo quando alguma coisa me preocupa tem, cada vez mais, dado espaço para o sorriso e a alegria de te ver crescer. Eu sempre fui contra palmadas e hoje eu sou contra também aos gritos. Nossa relação está se construindo cada dia mais na base do dialogo, embora você ainda não compreenda tudo o que eu digo. Mas é ai que você me surpreende e parece entender coisas complexas para alguém da sua idade. Então confirmo, realmente está dando certo, escolhi o melhor caminho para nossa família: o amor.

Quando vem a dúvida corro para a internet, pedir ajuda para essas amigas que eu nunca vi. Mulheres que, como eu, também tem uma história de vida transformada com a maternidade, mulheres cheias de experiências que me inspiram, ensina e ajudam. Depois de pesquisar e ler revejo, rearrumo, mudo e acrescento meus conceitos. Assim trilho esse caminho fantástico da maternidade.

Mas é você quem me faz assim. Se fosse outro bebê eu seria outra mãe. E é isso que me deixa mais encantada com tudo, a nossa perfeita simbiose. Desde fevereiro de 2011, você se fez hospede em minha vida, me trazendo toda sorte de felicidade que um ser pode experimentar neste mundo. Desde então eu vi tudo mudar, eu chorei, eu ri, eu me livrei de mágoas, me desfiz de preconceitos, limpei as lentes através da qual eu vejo a vida. Você saiu de mim, num parto que fez emergir as minhas mais profundas sombras, que me fez uma nova pessoa no sentido de que agora eu acredito de verdade em mim mesma, no meu potencial como mulher e mãe. Tornei-me o que sou hoje e sei que essa simbiose ainda vai trazer muitas surpresas e mudanças. E hoje, um ano depois do seu nascimento, olho para trás, lembro-me de quando não tinha filhos e me sinto tão longe daquela pessoa. Vejo que o que eu tanto buscava aquele tempo, o que me fazia me sentir incompleta e muitas vezes sem rumo na vida, hoje dorme nos meus braços e se alimenta do meu leite.

Obrigada filha por transformar minha vida, por deixar ela mais alegre, por dar um sentido. Obrigada por me permitir viver essa experiência de ser mãe, por ter vindo me ensinar tantas coisas.  Obrigada por me escolher, obrigada por estar aqui sorrindo todos os dias. Obrigada, infinitamente, muito obrigada!

Esta entrada foi publicada em Histórias para a sementinha. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *