31 Meses – turbilhão de aprendizados e desafios!

OLYMPUS DIGITAL CAMERACada etapa vencida no processo de desenvolvimento dos filhos é uma vitória, cada fase nova mais desafios. Vivemos esses constantes e intensos ciclos de altos e baixos, mas sempre cercado de muitas novidades e aprendizados incríveis. Quem está de fora pode até pensar que estamos valorizando demais o que o pequeno acabou de aprender , porém, para quem está acompanhando desde o primeiro ultrason, cada movimento na barriga, o primeiro som até as frases completas, tudo parece incrível mesmo.

Tempos atrás estava aqui comemorando minha passagem com sucesso pelo terrible twos. Bom, poderia ficar quietinha e fingir que nada aconteceu depois disso e ela continuou um anjo! Mas não, ela se jogou no chão, gritou e fez mil birras homéricas depois daquela fase linda. Aqueles momentos em que você se pergunta: Meu Deus, o que eu estou fazendo de errado? Mas o que está acontecendo é ainda a mesma coisa: ela ainda não sabe comunicar eficientemente suas necessidades e acaba se estressando. Apesar de dizer às vezes que está com sono ou com fome, ela ainda é um bebê, e quando o cansaço aperta ela explode. Outra coisa é que cada vez mais ela precisa de interagir com outras pessoas, precisa de contato social e ficar em casa, que já era entediante, agora é um sacrifício.

Com 30 meses ela conheceu mais claramente o que é saudade. Viajamos sem o papai. Passei um mês fora de casa ouvindo mamãe eu quero papai, eu quero papai, eu quero papai. Ou uma variação disso: eu quero minha casa, eu quero meus brinquedos, eu quero Misk, eu quero Ana, eu quero Theo, eu quero….tudo que representava voltar para nossa cidade! Gente, acho que foi a pior viagem que fizemos nesse sentido, pois ela sofreu de verdade, chorava com um sentimento muito grande e eu desmontei várias vezes. Esse período ocorreu várias crises de birra e não foi fácil. Porém, eu sabia que estava sendo mais difícil para ela do que para mim. Ela estava descobrindo e experimentando um sentimento novo, e lidar com emoções novas não é fácil para os adultos, imagine para uma criança?

Um ponto forte que favoreceu essa intensa saudade é o momento de desenvolvimento que ela está vivendo, que é a separação emocional da mãe e ligação emocional com o pai. Toda criança passa por uma fase em que o pai é o ser mais importante do universo, assim como quando nós éramos o centro do universo deles. Isso acontece por volta dos dois anos, quando também está ocorrendo o processo de afirmação da identidade individual, a causa de todas as birras que eu estava falando antes. Bom, nesse processo de separação da mãe a criança vai se ligar com a energia masculina, pois até esse momento, se teve um vinculo seguro com a mãe, a energia feminina foi suprida. Então começa a ligação com o pai ou a figura masculina que estiver mais próxima.

Antes dessa fase Maria não chegava perto de nenhum homem estranho, tinha medo da figura masculina, só ia em colos de mulheres. Durante essa viagem ela ia para qualquer barbado que aparecia na frente. Adorava o colo dos tios e de qualquer figura masculina que oferecesse um ombrinho. Somando a falta do pai e a fase que ela está vivendo deu num amor total por toda figura masculina da família, para a alegria dos tios e vovôs de plantão!

Ela agora está aprendendo a brincar sozinha, passa horas criando histórias e situações. Criou um ônibus embaixo da mesa e passou uma semana indo para a casa das avós todos os dias. Adora trocar os papéis, diz que eu sou Moíza e ela é a mamãe, ou ela é mamãe e papai é o bebezinho dela. Ela pode ser uma lagartixa, um sapo, um gato, um cachorro e vai nos dando nossos papéis que devem ser interpretados com afinco! Conversa, conta história, e quer saber tudo o que estamos falando. Quer saber o nome dos modelos das embalagens, das propagandas, das imagens que ela vê no computador quando estamos mexendo, e ai de mim que não saiba o nome e sobrenome de todo mundo. Quer saber detalhes das histórias que contamos. Seu universo criativo é alimentado constantemente pelas histórias e musicas que ouve e produz inúmeras pérolas diariamente.

Dança reggae, dança trance, dança ao som de tudo…até de lepo lepo que ouviu no casamento do meu tio. Canta, canta e inventa canções só dela. Adora festa, não pode ouvir o som do tambor, da sanfona. Quer movimento, mas ainda se sente perdida quando está com muita gente. Quando chega em algum lugar, por mais entusiasmada que esteja, primeiro observa, depois se solta.

Ainda mama no peito, mama muito a ponto de me fazer pensar até quando eu vou aguentar. Mas isso passa e eu me pergunto se eu quero que ela me desmame. Aprendeu a dizer que me ama muito muito, espontaneamente. Tem o sorriso mais lindo do mundo e é a alegria das nossas vidas.

Você está crescendo tanto minha sementinha, que tenho vontade de parar o tempo, ao mesmo passo que quero ver você crescer!!! coisas de mãe!

Esta entrada foi publicada em Histórias para a sementinha. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *