Escolher o Parto

Sempre pensei em ter parto normal. Considero que é muito mais arriscado me submeter a uma cirurgia, que não vai me livrar das dores, pois o pós-operatório é dolorido e ainda podem ocorrer outras complicações.

Mas não conhecia o universo por trás dos partos hospitalares. A única coisa que eu queria era parir sem intervenção cirúrgica.

Quando me descobri grávida comecei a buscar na internet sobre exercícios para gestantes. Queria me manter em forma e fazer exercícios que me ajudassem na hora do parto.

Nessa busca fiz outras descobertas. Já tinha ouvido falar de parto na água, parto de cócoras, mas parto humanizado era uma novidade. Pensei no que poderia ter ocorrido com o parto para que esse precisasse ser denominado como humanizado.

Então comecei a procurar tudo sobre o assunto e a primeira decisão que eu tomei foi não parir num hospital. Comecei a entender como alguns médicos conduzem a cesária usando o medo e a desinformação das gestantes para convencê-las de tal procedimento. Entendi que as intervenções no parto normal ocorridas nos hospitais são desnecessárias e prejudiciais para a mãe e para o bebê. Mas como eu faria isso? Quem me apoiaria?

Conversei com Joaquim sobre o assunto e ele topou na hora, aliás, ele desde o início sugeriu o parto na água. O que faltava então era um médico que me acompanhasse e concordasse em fazer o parto em casa ou, mesmo que fosse no hospital, que fosse humanizado.

Pesquisando na internet encontramos a Dra. Marilena Nunes, única médica em Salvador que faz parto domiciliar. Marquei imediatamente uma consulta e comecei o pré – natal.

Porém ainda não tinha vencido todas as etapas. Minha mãe não aceitava a minha escolha e tentou usar diversos argumentos para me convencer  de ter um parto normal, porém no hospital. Eu me mantive firme na minha escolha, sempre dando o máximo de informação para que ela me entendesse e me apoiasse.

Enfim, durante essa busca por uma forma mais barata de parir, pois outro problema era a grana que teríamos que dispor para ter o bebê em casa, encontrei o Centro de Parto de Normal, que havia acabado de ser inaugurado aqui em Salvador.

Até então não sabia que minha obstetra era a coordenadora do CPN e quando estava conversando com ela sobre o lugar ela me relatou isso. Foi uma grande surpresa e uma enorme satisfação, pois além de ter o acompanhamento da minha médica eu teria meu bebê num lugar abençoado e o parto seria como eu sempre desejei. Além de que, o local oferece toda a segurança que minha mãe desejava que eu tivesse nessa hora.

Tudo perfeito, agora é só esperar minha boneca querer sair! Mas também temos que tomar uma série de cuidados, pois o parto natural em uma casa de parto tem muitas restrições. Não posso estar com nenhuma infecção, nem ter tido alguma intercorrência durante a gravidez (diabetes, pressão alta, excesso de peso e bebês acima de 3,700 kg). Então tenho que cuidar da alimentação e da saúde, pois no final da gravidez a ansiedade faz a gente comer mais e a imunidade pode baixar também, dando condição para a multiplicação de bactérias que podem desencadear uma infecção.

Escolher o tipo de parto não é só uma questão de gosto ou de crença, a escolha começa com a informação e com os cuidados desde antes da gravidez. Mesmo que a gravidez aconteça sem planejamento (como foi o meu caso) essa pode transcorrer da forma mais saudável e tranquila possível, desde que alguns cuidados sejam tomados. Acompanhamento médico é indispensável, mas opinião do médico somente não é suficiente, buscar conhecimento sobre todos os aspectos que envolvem a gravidez, o parto e o pós parto é importante para que você se antecipe nas consultas e possa ajudar o médico a diagnosticar algo que possa estar errado e poder remediar o quanto antes.

Nem sempre parto é uma questão de escolha, na verdade a melhor escolha é a que dê maior segurança para a mãe e para o bebê. E segurança não só no sentido físico, mas também no psíquico, que pode influenciar muito na hora do parto.

Nos próximos posts pretendo falar bastante sobre os cuidados e a preparação para o parto, independente do tipo. Espero assim ajudar as mamães de plantão a se orientar e cuidar do seu bebê!

 

Luz para todos!

Esta entrada foi publicada em Gravidez e Parto. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *